terça-feira, 7 de abril de 2015

Notícias do Uíge

Foto do meu arquivo pessoal - 73/75
“Homem e Cidadania”

Nem só de infraestruturas: estradas, pontes, prédios, água, luz, hospitais etc. se constrói um país, não. Se tudo isto, que é muito importante para o bem-estar das pessoas, não for feito de mãos-dadas com a cultura, o país fica amputado da sua maior riqueza. Está pois de parabéns, também, nesta vertente do desenvolvimento cultural o povo angolano que, assim, enriquece o Mundo - vem isto a propósito do lançamento desta obra "homem e cidadania" do filósofo Artur Pina, que certamente iremos ler com atenção e sentido crítico.
______________________________
Uíge: Artur Pina lança livro "homem e cidadania"
Uíge- O filósofo Artur Pina colocou no mercado nesta segunda-feira, na cidade do Uíge, a sua segunda obra intitulada "o homem e a cidadania", com 127 páginas.
O livro de  Artur Pina, diplomado em filosofia em Roma, é científica e tem como finalidade educar o homem para o bem e pode também servir de base filosófica, pedagógica para os estudantes de direito.
Editada pela Mayamba, é um livro para leitores bem iniciados no tema e sobretudo para os bons pensadores desta época e relança no mundo da literatura e de pesquisa novos talentos.
Convidado a apresentar o livro, o bispo do Uíge, Dom Emílio Sumbelelo, disse que a obra divide-se em quatro capítulos antecedidos de uma introdução, seguido de uma conclusão e bibliografia.
O prelector disse que o primeiro capítulo trata da reeducação do homem, apresentando a finalidade deste como deve ser educado, a idade para a sua educação e nos segundo e terceiros capítulos, o autor procura mostrar o homem como animal, fragmento ou bárbaro, doméstico ou selvagem, social ou vestido de panos sociais.
No quarto capítulo conclui que a sociedade deve educar o homem traçando linhas mestras para a sua educação, enquadrando-o segundo o modo de educação.
Sublinhou que o conhecimento humano deve muito aos livros que permitem que uma geração mostre a outra futura o que realizou na sua época.
O Bispo classifica a obra como digna de ser lida e estudada, porque por meio dela consegue-se transmitir conhecimentos culturais de diversos povos de geração em geração, pois enquadra quatro personagens poéticas, filosóficas, históricas, teorias políticas e modernas.

In: angop

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe aqui o seu comentário: