sábado, 8 de outubro de 2016

Mufututu

Monumento aos fundadores do  SONGO
Voltei de novo ao Blogue!
Mentiroso, troca-tintas, o que quiserem. Mas quando escrevi: “Com esta notícia dou por terminado este blogue. Como em tudo na vida há sempre um princípio, meio e fim. Sinto que já não tenho nada mais para dizer e, quando assim é, o melhor é ficarmos calados. Agradeço a todos os que visitaram o blogue e em particular abraço os que tiveram a generosidade de intervir. Quem sabe um dia destes nos encontraremos noutro local para falarmos de outros assuntos.” Não disse, como alguém, que esta minha atitude era irrevogável. Assim, sinto-me legitimado a voltar (a pedido de vários camaradas, amigos e leitores do blogue) ao vosso convívio de que tanto gosto.
E, para este regresso, nada melhor do que esta linda lenda que descobri no “RA - Rede Angola” escrita por Pedro Cardoso, a propósito da lagoa do Mufututu, no Quimacuna, Songo. Achei-a deliciosa!
“ Songo
Estamos em terras do antigo Reino do Congo e toda essa sabedoria, lendas e histórias vêm de tempos lá muito atrás.

As histórias mágicas do norte do país mergulham bem fundo nas lagoas do Songo. As lendas do Uíge são ancestrais e passam de boca em boca desde quando os tempos eram coisa sem calendário. A vila cafezeira do Songo é o lugar de cidades inundadas e luzes misteriosas no fundo de águas claras.
A tradição do norte é coisa muito própria. Estamos em terras do antigo Reino do Congo e toda essa sabedoria, lendas e histórias vêm de tempos lá muito atrás. A província do Uíge é parte desse todo que foi poderoso e que ainda hoje tem uma força cultural intensa.
A noroeste da capital da província, está o Songo. Vila de recente fundação. As terras que hoje conformam o município só foram reconhecidas oficialmente como posto administrativo colonial em 1923, a 4 de Abril. Contam que o lugar foi fundado por um português, António Cordeiro de Oliveira, que ali chegou uns anos antes, em 1919. Não se sabe ao certo de onde vinha, se ali chegou em deambulação ou com missão explícita de reforçar a presença colonial na região. A 27 de Julho de 1960, o Songo foi elevado a vila, impulsionada pela produção de café nas suas terras. Por estes anos o Uíge era uma potência cafeicultora mundial. Um monumento ao café relembra a quem visita o Songo a sua vocação que, pouco a pouco, vai renascendo.
O Songo é dessas vilas pequeninas em que Angola ganha outra cara. Talvez mais real e pé no chão. Sem alaridos nem maquilhagem desnecessária. Directa e sincera, como as suas gentes. E com sabores tão nossos como a nfumbua ou a kizaca. Uma volta pela sede municipal é uma visita a um passado não tão distante, feito de casas comerciais de colonos, de edifícios rústicos e sóbrios de lugar agrícola. Centro Turístico Esta é a história oficial, com H grande, linha de tempo bem horizontal e com direito a referências de almanaque. A outra história é bem diferente. Escrita com letras grandes do princípio ao fim, conta os murmúrios que esvoaçam, tipo brisa, por entre as moreiras, pau-preto, mucambas, muanzas, takulas e tantas outras árvores que se fecham em selva nestas terras altas da província.
É a uns quilómetros do Songo, no lado direito da estrada entre a vila e Ambuila, que se revela um outro lado deste lugar. A tradição aqui surge em forma de lagoa. Mufututu, chamam-lhe. As histórias fantásticas sobre este ponto de água cristalina, bem pertinho da aldeia de Quimacuna, são de arregalar os ouvidos. Contam que lá em baixo das águas cristalinas há uma gruta de onde saem bagres já fumados ou cozidos. O estranho fenómeno terá sido descoberto em 1922 ou 1923 pelo mais-velho Nkelani.
Esta lenda que os habitantes de Quimacuna juram ser verdade-verdadeira, foi contada em voz viva pelo mais-velho Mateus Domingos ao Jornal de Angola, numa visita do jornalista José Bule ao local. Atordoado pelo fenómeno, depois de descobrir a lagoa, o parente Nkelani voltou a Quimacuna, perseguido por dois porcos. Antes de morrer subitamente, teve uma visão onde os bagres lhe pediam que ninguém entrasse na lagoa. Desde então, não há vivalma autorizada a pescar ou mergulhar naquelas águas.
Os sonhos e visões nunca mais cessaram. Dizem que sempre que algo importante está prestes a acontecer, os bagres mergulham nos sonhos dos sobas da aldeia, como alerta ou anúncio. As lendas sobre este lugar mágico, a apenas 47 km a norte do Uíge falam também que na lagoa vivia a Mãe Bagre. Um dia, incomodada pelas obras na estrada que passa ali ao lado, a progenitora de todos os peixes da região foi viver para a lagoa Dimina, comuna de Kinvuenga. Não sem antes se despedir do então soba de Quimacuna, Miguel Nsanga, num sonho em que pediu que os habitantes da aldeia cuidasse dos seus filhos.
Com ela, desapareceu também um dos outros grandes mistérios do Mufututu. Contou o velho Mateus Domingos a José Bule que antes havia uma enorme cidade dentro da lagoa que só era possível visitar, uma vez observada uma cerimónia ritual. “Depois da mãe dos bagres mudar de residência, a cidade desapareceu e agora só se vê uma luz verde lá no fundo”. Palavras do mais-velho.
A força dos antepassados aqui é forte, e não há que pôr em causa as histórias de quem realmente conhece a terra e vive lado-a-lado com os mistérios que ela encerra. Se gostar de viajar pela mágica tradição do nosso país, numa paisagem natural de beleza densa e verdejante, o Songo é lugar ideal.
 Como ir
O Songo fica cerca de 50 km a norte da cidade do Uíge, na via que liga o corredor Negage e Uíge.”
Maravilhosa! Não é? Dos portugueses que andaram por estas terras, quem conhece esta lagoa?



Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe aqui o seu comentário: