quinta-feira, 13 de outubro de 2016

UM HUMANISTA NA ONU


imagem da internet
Porque sou cidadão do mundo, europeu, português e católico, não posso deixar de registar (hoje) este acontecimento tão importante para a Organização das Nações Unidas. Porquê? Pela transparência e clareza da eleição a Secretário-Geral desta Instituição. Cumpriu-se o prometido!
Pela primeira vez, na história deste areópago, a “porca da política”, que sempre andou por lá, esteve ausente. Embora à última hora “ela” tenha feito uma tentativa de vir emporcalhar o processo, mas, por fim,vingou o bom senso e ganhou a transparência e a Democracia.
Estou orgulhoso por este SENHOR, António Guterres, engenheiro de formação, ter sido o vencedor, e, logo, por aclamação, para Secretário-Geral da ONU! A primeira prova foi ganha com distinção.
Todos temos consciências que a parte mais difícil vai começar a partir do próximo dia 1 de janeiro de 2017. Mas, para além de todos os dramáticos problemas que o Senhor Secretário-Geral vai encontrara em cima da sua banca de trabalho, seja-nos permitido fazer-lhe um apelo: Não se esqueça dos povos de África em conflito; tantas vezes esquecido por todos nós e, até, a comunicação social que tão alto fala e escreve (e bem) quando os terroristas matam na Europa, muitas vezes se esquecem destes povos tão sofredores, vitimas do mesmo terrorismo.
Ah! E a fome que mata trezentos e cinquenta milhões de crianças, por ano, no mundo.
Um bom mandato, cheio de êxitos, para o bem da humanidade são os nossos votos, Senhor Secretário-Geral das Nações Unidas (deste Mundo tão desunido).  




Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe aqui o seu comentário: